3ª Zombiewalk reunirá centenas em Belém




Caderno D
Sábado, 08/11/2008,

BELÉM (PA) - Se você sair caminhando tranqüilamente pela cidade num pacato início de noite de sábado e der de cara com um bando de zumbis, não se assuste. Não é nenhuma performance do clipe de “Thriller”, do Michael Jackson, nem os personagens do filme “A Volta dos Mortos-Vivos” que saíram das telas.

É a Zombiewalk, um evento organizado por fãs de filmes de terror que ocorre há oito anos em diversas cidades do mundo e consiste em uma multidão de pessoas fantasiadas de zumbi andando pela cidade em uma rota pré-definida. E Belém tem disso? Tem sim e, segundo os organizadores locais, foi a primeira cidade do Brasil a promover a caminhada, que chega este ano à sua terceira edição.

A concentração será às 18h, na praça da República. Aficcionados por filmes de terror B, vampiros, ocultismo e cultura gótica já têm na Zombiewalk um evento no qual podem se reunir para dividir as bizarrices nossas de cada dia. Há quem diga que Belém foi a primeira cidade da América Latina a promover a caminhada.

“Belém foi a primeira por questão de alguns dias. Aqui a caminhada aconteceu dia 29 de outubro de 2006 e em São Paulo aconteceu no dia 2 de novembro de 2006. Isso nos coloca como primeira Zombiewalk do Brasil. Tem quem diga que foi a primeira da América Latina, mas não temos esses dados”, diz Rafael Oliveira, um dos organizadores da passeata.

Filmes de horror das décadas de 70 e 80, como o clássico trash “O Massacre da Serra Elétrica”, são a principal inspiração para os moribundos se caracterizarem. Elementos cinematográficos, literários, musicais e de artes em geral servem de fonte para essa galera, como a escrita gótica de autores que têm como temática o sombrio e o terror. Bandas como The Cure, Ballhaus, Joy Division, Sisters of Mercy e Siouxie and the Banshees farão parte do repertório do DJ, poeta e artista plástico “Defunto”, convidado especial da Control para tocar na festa que encerrará o evento no bar Santa Fé, ao lado dos DJs Coe, Mark e Ralph.

Mas não são só os aficcionados por terror que acompanham o evento. “O perfil dos zumbis é bem variado.A maioria é de estudantes e universitários, mas tem desde jovens de 18 anos atá pessoas mais velhas, que são fãs de filmes de terror há 20 anos. No primeiro ano, a passeata teve algo em torno de 50 pessoas, ano passado chegou em umas 80, esse ano esperamos no mínimo 100”, conta Rafael.

Com o sol que assola Belém todos os dias, não deve ser nada fácil a vida dos zumbis em terras paraenses. Ainda bem que a concentração está marcada para o fim da tarde, hora em que o sol já está baixo. Mas como é tudo maquiagem, o maior risco que os mortos vivos paraoras correm é de escorrer o make-up e acabar com toda a montagem.

A maioria dos moribundos já sai de casa devidamente montada para a caminhada, mas, para os zumbis de última hora, haverão maquiadores produzindo a galera que chegar lá e quiser acompanhar o bando a caráter. “Nas festas anteriores houve exibição de filmes com a temática do evento e acho que este ano eles pretendem exibir também”, disse “Defunto”, freqüentador assíduo da caminhada desde a primeira edição.

A primeira Zombiewalk foi realizada em 2001 nos Estados Unidos como promoção de um festival de cinema de terror e rapidamente se espalhou mundo afora. A Zombiewalk é um tipo de concentração de pessoas chamado de Flash Mob, onde a idéia é se reunir para um determinado ato e dispersar de maneira tão rápida quanto.

Serviço: Hoje, às 18h, concentração para a 3ª Zombiewalk Belém, na praça da República. Saída às 19h. Após a caminhada, Zombiewalk Party no bar Santa Fé (Rui Barbosa, 361), com os DJs Control: Coe, Mark e Ralph. Entrada franca. Diário do Pará
Postar um comentário